Contexto


 

O término dos prazos para os que pretendiam ser candidatos a cargo eletivo nas eleições obtivessem domicílio eleitoral na circunscrição na qual desejam concorrer, do prazo para registro do estatuto dos partidos e o prazo para a renúncia dos chefes do Poder Executivo que pretendem concorrer a outros cargos, resultou em uma dança das cadeiras na composição dos Poderes e, portanto, em um rearranjo provisório de forças no cenário político.

Dado o contexto, o Radar Governamental apresenta a 2ª Edição do Especial sobre as Eleições de 2018, com atualização sobre o destino dos 27 Governadores dos Estados Brasileiros. Na próxima edição, será abordada a situação política de 141 cidades Brasileiras, incluindo as 26 capitais..

De acordo com dados analisados, dos 27 Governadores então em exercício até o final de março, 6 renunciaram ao cargo. Embora o prazo para registro das candidaturas se expire apenas em 15 de agosto, é esperado que esses apareçam nas urnas desse ano como candidatos a outros cargos eletivos..

Além disso, 17 Governadores terminando o seu primeiro mandato deverão tentar a reeleição e 4 Governadores em segundo mandato não deverão aparecer nas urnas desse ano..

Já dos 141 municípios analisados, cujos detalhes serão divulgados na próxima edição, dos seus respectivos Prefeitos, 8 renunciaram ao mandato e, tal como os Governadores que se afastaram, poderão concorrer a outros cargos eletivos nas eleições desse ano. Vale mencionar que, destes 141 municípios que fizeram parte dos dados analisados, 4 estão afastados do cargo sendo o Poder Executivo comandado pelo Presidente da Câmara Municipal..

Neste universo, haviam especulações de que outros 10 Prefeitos se candidatariam, em sua maioria, a Governador do Estado do qual pertencem os municípios que comandam, no entanto, não tendo renunciado aos cargos no período estabelecido, permanecem como chefes do Poder Executivo e não deverão participar das eleições desse ano..

As informações gerais sobre os cenários dos estados estão detalhadas abaixo e informações específicas com análise de cada estado podem ser adquiridas clicando no link ao final do informativo..

 

*Nenhum dos dados expostos possuem caráter opinativo ou exprimem o posicionamento institucional do Radar Governamental ou do Celuppi Advogados, que não representa interesses de nenhum partido político ou parlamentar.

 

Reelembre – Cronograma


 

A partir do dia 5 de julho passará a ser possível a realização de campanhas intrapartidárias e do dia 20 de julho a 5 de agosto a realização das chamadas convenções partidárias. Até o dia 15 de agosto vai o período para registro dos candidatos pelos partidos e coligações na justiça eleitoral.

Em 16 de Agosto inicia o período para a propaganda eleitoral, e de 31 de agosto a 4 de outubro segue o período para propagando em rádio e televisão – debates e comícios deverão ocorrer nesse mesmo período. Em 7 de outubro será realizado o primeiro turno definindo-se os cargos de deputados e senadores, além de governadores e presidente se o primeiro candidato mais votado tiver mais de 50% dos votos válidos e no dia 27 o segundo turno para governadores e presidente, que não tenham sido eleitos em primeiro turno.

 

Análise detalhada cenário estadual


Reeleição

Na disputa pela reeleição, dos 27 Governadores, ao menos 23 deverão tentar a reeleição, considerando aqui 17 governadores e outros 6 que eram vices e assumiram os cargos com as renúncias mencionadas acima dos originais governadores.

cronograma
Renúncias para concorrer a outros cargos

 

Os 6 Governadores Brasileiros que renunciaram ao cargo no início de abril, apresentam o seguinte cenário:

▫ Geraldo Alckmin (PSDB), de São Paulo, que deverá concorrer à Presidência da República;
▫ Beto Richa (PSDB), do Paraná, que deverá concorrer ao Senado Federal;
▫ Marconi Perillo (PSDB), de Goiás, que deverá concorrer a vice-Presidência da república na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB);
▫ Raimundo Colombo (PSD), de Santa Catarina, que deverá concorrer ao Senado Federal;
▫ Jackson Barreto (MDB), do Sergipe, que deverá concorrer ao Senado Federal;
Confúcio Moura (MDB), de Rondônia, que deverá concorrer ao Sendo Federal.

Não aparecerão nas urnas este ano

Quatro dos atuais Governadores Brasileiros não deverão aparecer nas urnas esse ano, sendo: Tião Viana (PT) do Acre, Ricardo Coutinho (PSB) da Paraíba, Simão Janete (PSDB) do Pará e Luiz Fernando Pezão (MDB) do Rio de Janeiro. Todos estão no final do segundo mandato, impossibilitados de concorrer à reeleição, e não tendo renunciado ao cargo no prazo estabelecido, não poderão concorrer a outro cargo eletivo.

 

Resumo do Panorama Geral


 

Resumo do Panorama Geral

 

Força partidária


A sigla ganhou o comando de dois novos Executivos estaduais: em Rondônia, com Daniel Pereira (PSB) que deve ser a aposta da sigla para a reeleição, e em São Paulo, com Marcio França (PSB) que já anunciou sua candidatura à reeleição.

A sigla viu crescer sua influência em um Estado, com a ascensão de Eduardo Pinho Moreira (MDB) em Santa Catarina. O comando do Sergipe permanece com um emedebista, tendo Belivaldo Chagas (MDB) ficado no lugar de Jackson Barreto.

A sigla permanece com o comando de Goiás, tendo José Eliton (PSDB) substituído Marconi Perillo (PSDB). Eliton deverá ser a aposta peessedebista para a reeleição.

A sigla ascendeu agora ao comando do Paraná, tendo Cida Borghetti (PP) substituído Beto Richa (PSDB). Cida já é apontada como pré-candidata do PP para a reeleição.

Dada a nova formatação da distribuição do comando dos Estados entre os partidos, o MDB permanece sendo o partido com o maior número de Estados, detendo 7 ao total, o PSB se destacou no cenário assumindo espaço do 3º lugar, antes ocupado pelo PSDB. Segue comparativo do cenário anterior e do atual:

 

Cenário Pré-Eleições 2018


cenario_01

Cenário Atual


cenario_02